Actoil

Blog Actoil

Voltar

Óleo de fritura: de resíduo a riqueza

07 jul

Usinas investem na reciclagem de óleo de cozinha usado para compatibilizar bons negócios e conscientização ambiental

Amplamente utilizado em cozinhas domésticas e industriais, o óleo vegetal é um grande causador de poluição ambiental quando descartado indevidamente. Cada litro de óleo pode contaminar até 12 mil de litros de água, sem contar que pode levar ao entupimento de redes de esgoto e tubulações, gerando transtornos e atraindo ratos e baratas. O óleo descartado incorretamente também impermeabiliza o solo, o que coloca em risco a vida de comunidades durante períodos de chuvas mais intensas, e forma metano, um gás que, além de malcheiroso, está entre os maiores vilões do aquecimento global.

É por esses e outros motivos que a reciclagem do óleo usado vem ganhando importância e atraindo investimentos de empresas interessadas em lhe dar um destino ambientalmente adequado. O material pode ser transformado numa série de produtos, entre os quais o biodiesel.

A produção do biocombustível a partir do óleo de cozinha usado já acontece há algum tempo no Brasil e no mundo. O processo é simples: depois de recolhido, o óleo é filtrado e decantado. Uma vez purificado, passa por um processo praticamente idêntico ao usado com qualquer outra matéria-prima. No fim, 80% do produto transforma-se em biocombustível, 10% em glicerina e apenas 10% é descartado. Dados de BiodieselBR mostram que foram produzidos 24,6 milhões de litros de biodiesel a partir de óleo de fritura usado em 2012, índice 89% maior que o do ano interior.

Sensibilização e consciência
A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), existente desde 1981, lançou o “Óleo Sustentável”, programa para coleta de óleo de cozinha usado. Representante das principais empresas dos setores de processamento de soja, refino de óleos vegetais e produção de biodiesel, a entidade percebeu a carência e a necessidade de se trabalhar com campanhas de educação ambiental, principalmente nas residências.

Governo de fora
Todas essas iniciativas teriam projeção e resultado muito maiores se houvesse apoio governamental. O incentivo dos governos municipais, estadual e, principalmente, federal proporcionaria um evidente crescimento no recolhimento deste óleo.

Hoje as usinas gastam milhões de reais pagando bônus para agricultores familiares que plantam soja há décadas. Parte desse dinheiro poderia ser destinado a ajudar os milhares de pessoas que trabalham nas ruas recolhendo material para reciclagem.

O receio do governo em ser enganado com eventuais fraudes o impede de dar qualquer incentivo fiscal para os produtores de biodiesel que desejam implementar esse tipo de trabalho. Este já é o sexto ano do biodiesel no Brasil e o governo ainda sequer esboçou algum apoio a iniciativas de reaproveitamento de óleos vegetais usados.


Fonte: BiodieselBr

Comentários 0