Actoil

Blog Actoil

Voltar

Produção de biodiesel deve crescer 25% no Brasil em 2015

21 jul

Reação do setor, que teve recuo em 2014, é alicerçada na supersafra de soja, principal matéria-prima, e na lei que ampliou adição de biocombustível no diesel

Após amargar o abandono de investimentos no início do ano passado, o setor de biodiesel brasileiro, que tem o Rio Grande do Sul como maior expoente, agora vê um futuro promissor. A aprovação de lei que ampliou para 7% a adição de biocombustível no diesel, em setembro passado, faz a Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio) projetar um aumento de 25% na produção em 2015.

Há um ano, o cenário era árido para o setor. Tida como o mercado do futuro em 2004, quando o governo federal lançou o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB), com a meta de incentivar a produção do combustível verde no país, a indústria viveu momentos de incerteza e abandono de investimentos no último ano. 

Com a mistura obrigatória de biodiesel no diesel estagnada em 5% desde 2010, o país ingressou 2014 com uma ociosidade industrial de 56%. A demanda estável e a falta de competitividade para exportar fizeram pelo menos 20 indústrias que produziam biocombustível fecharem as portas ou migrarem de setor.

As empresas passaram anos sem ter conhecimento da demanda de biodiesel a longo prazo e houve sobreoferta. Então, algumas não conseguiram manter os investimentos que fizeram — explica Leonardo Botelho Zilio, assessor econômico da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

O alento para o setor só veio em 2014, quando uma lei ampliou a mistura para 6% em setembro e, a partir de novembro, para 7%. Além disso, outros dois fatores contribuíram: o bom desempenho no campo, que favorecerá a oferta de matéria-prima, e a desistência da Petrobras em construir duas refinarias, que abrirá espaço no mercado de combustíveis. Diante do novo cenário, a previsão é de que a ociosidade das empresas diminua para 44%.

A ociosidade demonstra a necessidade de programas de longo prazo para o setor. Lutamos pelo aumento da mistura para 10% nos próximos dois anos e medidas que deixem o mercado competitivo internacionalmente — afirma o presidente da Aprobio, Erasmo Carlos Battistella.

Fonte: Zero Hora.

Comentários 0